Apanat - Associação Paulista de Naturologia

(esqueci a senha) (cadastre-se)
página inicial

Blog - Aromaterapia - Aromaterapia funciona: descobertos efeitos fisiológicos dos aromas

Aromaterapia funciona: descobertos efeitos fisiológicos dos aromas

Redação do Diário da Saúde


Cientistas descobriram as primeiras evidências científicas de que determinadas fragrâncias alteram a atividade genética e a química sanguínea de forma a reduzir os níveis de estresse.

Aromas que fazem bem à saúde

Está se sentindo estressado? Então tente desfrutar o aroma de limão, manga, lavanda ou alguma outra planta que emita fragrâncias agradáveis.

Cientistas no Japão divulgaram a primeira evidência científica de que a inalação de determinadas fragrâncias alteram a atividade genética e a química sanguínea de forma a reduzir os níveis de estresse.

Ciência reconhece saber popular

Na pesquisa, Akio Nakamura e seus colegas ressaltam que as pessoas usam o cheiro de determinadas plantas desde a mais remota antiguidade para reduzir as tensões emocionais, para reduzir inflamações, combater a depressão e também para induzir ao sono.

A aromaterapia, o uso de óleos de plantas aromáticas para melhorar o humor e a saúde, transformou-se em uma forma de medicina alternativa bastante popular também na atualidade.

O linalol é uma das substâncias mais utilizadas em todo o mundo para reduzir a tensão emocional e o estresse. Mas, até agora, os efeitos exatos do linalol sobre o organismo humano permanecia como um mistério.

Bases científicas da aromaterapia

Para tentar descobrir as bases fisiológicas do funcionamento da aromaterapia, os cientistas expuseram ratos de laboratório a condições estressantes. Um grupo dos animais foi submetido a essas situações inalando o linalol, enquanto outro grupo passou pelas mesmas experiências sem o aroma.

O estresse eleva os níveis dos neutrófilos e linfócitos, partes essenciais do sistema imunológico. O linalol fez com que esses neutrófilos e linfócitos retornassem a níveis praticamente normais.

A inalação do linalol também reduziu a atividade de mais de 100 genes cuja atividade é incrementada em situações estressantes.

As descobertas estabelecem a base para a criação de novos testes sanguíneos que ajudem a identificar os aromas que produzem os melhores resultados para cada tipo de tratamento, sobretudo para o tratamento do estresse e de outros distúrbios emocionais, como depressão e problemas de sono, dando uma dimensão definitivamente científica para a aromaterapia.

 

Fonte: Diário da Saúde
Site: http://www.diariodasaude.com.br/
Data: 27/07/2009
Redação do Diário da Saúde

 
 

Comentários

Niguém comentou esta notícia ainda. Seja o primeiro!

Envie seu comentário


 

2009 Apanat - Todos os direitos reservados

Desenvolvido pela S3Web