Apanat - Associação Paulista de Naturologia

(esqueci a senha) (cadastre-se)
página inicial

Blog - Entenda o conceito de medicina integral

Entenda o conceito de medicina integral


Uma tendência vem surgindo recentemente na medicina é a chamada “medicina
integral”. Essa tendência é um movimento que se contrapõe à estrutura cartesiana e
compartimentalizada da medicina convencional, que divide o ser humano e partes para
aumentar sua eficiência. A medicina integral parte do pressuposto que o ser um humano
é um todo indivisível, portanto nenhuma doença pode ser entendida e tratada sem que
essa visão da integridade do indivíduo seja mantida. Por isso o modelo de
especialidades e sub-especialidades da medicina estaria condenado, mais cedo ou mais
tarde ao fracasso

O movimento da medicina integral também não pode ser visto como uma medicina
complementar. Ele é um conceito mais amplo. A medicina complementar faz parte das
inúmeras técnicas que estão em baixo de seu guarda-chuva conceitual. O conceito de
medicina integral surgiu na década de 80, como uma nova proposta da medicina
psicossomática. Nessa época muitos trabalhos científicos demonstraram que os fatores
emocionais tinham uma importância grande na gênese e na evolução de inúmeras
doenças. Portanto, qualquer médico, mesmo um especialista, deveria atentar para os
aspectos psicológicos do seu paciente, já que esses eram importantes para o tratamento
ou a cura.

Contrapondo a tendência de dividir o corpo e a mente, existente na medicina até então,
foi proposto o conceito de medicina integral. Nessa proposta o médico cuidaria tanto do
corpo como da mente do paciente numa mesma consulta visando melhorar o resultado
dos tratamentos medicamentosos e cirúrgicos.


Medicina de família

Um segundo incremento do movimento da medicina integral surgiu com o renascimento
da medicina de família. Essa corrente surgiu a partir da constatação de que a grande
maioria da população, em geral carente, que procura atendimento médico possui
problemas simples de saúde – e que medidas simples e gerais podem ter um grande
impacto na mortalidade e na morbidade dessa população.

Assim foram criados os médicos de família, que combinam ensinamentos de várias
áreas básicas da medicina como clinica médica, obstetrícia, pediatria e medicina
preventiva, para promover suas ações de saúde. Muitos trabalhos epidemiológicos
mostraram que as populações atendidas pelo sistema de médico de família possuem
melhores índices de saúde com um custo inferior ao do sistema convencional, baseado
em especialidades. Por isso programas de médicos de família têm sido implantados no
atendimento primário à saúde em todo mundo. Esses resultados foram aproveitados pelo
teóricos da medicina integral, mostrando que a abordagem integrada foi mais eficiente
que a compartimentalizada, no atendimento a população, e a medicina integral ganhou
novo empurrão.


Medicina complementar

O terceiro movimento da medicina integral começou a surgir na virada do século,
quando a antiga medicina alternativa começou a ser incorporada aos sistemas de saúde,
agora sendo chamada de medicina complementar. Existem cerca de dois mil trabalhos
científicos publicados no mundo sobre o tema medicina integral, sendo que a maioria
associado à medicina complementar ou psicossomática. Infelizmente os grupos que
trabalham com medicina de família não tem aproveitado os conceitos de medicina
complementar para ampliar a qualidade e a eficiência de sua medicina integral. Menos
de 20 trabalhos mencionam as duas medicinas em seu texto. Mesmo assim uma
publicação da Universidade de Havard, onde está uma das melhores escolas de
medicina do mundo, questiona a falta de treinamento em medicina complementar pelos
médicos de família.

A associação de medicina convencional com a medicina complementar, para melhorar a
qualidade de vida e reduzir os efeitos adversos dos tratamentos de algumas doenças
como câncer, AIDS e esclerose múltipla, também tem gerado resultados animadores. Os
pacientes que recebem a medicina complementar (em geral uma combinação de
acupuntura, massagem, fitoterapia, terapias cognitivas, etc) possuem melhores escores
em escalas que avaliam a qualidade de vida das pessoas, e menor incidência de
problemas como depressão e insônia.

Atenção!
Esse texto e esta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um
médico e não se caracterizam como sendo um atendimento.

 

Fonte: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/medicina_integral.htm
Texto: Alex Botsaris

 
 

Comentários

Junior em 19/10/2009 às 16:31 (web site)

Olá ,

Gostaria de informações quando à medicina INTEGRAL, onde , os profissionais desta área, em que trabalham? São considerados Médicos ? Podem participar de cirurgias ? podem escolher no decorrer do CURSO, ( no meu caso ) em que área irá atuar?

Por favor, agradeceria se me fosse dado uma resposta verosímil .

Suely Ramos Bello em 16/11/2009 às 15:33

Junior

Em resposta a sua solicitação podemos informar que medicina Integral é uma nova visão da medicina. Voce poderá entender melhor lendo o seguinte livro: "A construção da medicina integrativa" um desafio para o campo da saúde. Autor: Nelson Filice da Barros.

Os profissionais dessa área trabalham na área da saúde. Se eles forem médicos e aplicarem os conhecimentos da medicina integrativa poderão ser cirurgiões ou não. Se forem naturólogos trabalharão apenas com terapias naturais não invasivas porém mantendo a visão da pessoa como um todo, e cuidando de todos os aspectos (fisico, mental,emocional e espiritual).

Envie seu comentário


 

2009 Apanat - Todos os direitos reservados

Desenvolvido pela S3Web