Apanat - Associação Paulista de Naturologia

(esqueci a senha) (cadastre-se)
página inicial

Blog - Efeito do ódio na atividade cerebral

Efeito do ódio na atividade cerebral


“O estudo mostra que o ódio certamente tem um efeito na atividade cerebral”, diz
à CH On-line Semir Zeki, do University College London (Reino Unido). “Esse
sentimento tem origem no cérebro, que é o centro de nossas emoções e da consciência”,
completa o pesquisador, autor principal do artigo que apresenta os resultados do estudo,
publicado em outubro na revista PLoS One.


ASSINATURA DO ÓDIO NO CÉREBRO


Raiva dirigida a um indivíduo provoca padrão único de atividade cerebral, revela
pesquisa

O ódio deixa sinais inequívocos no cérebro. É o que mostra uma pesquisa inglesa
que mapeou as áreas cerebrais ativadas em voluntários enquanto viam fotos de
desafetos. Os resultados mostram que existe um padrão único de atividade no cérebro
em um contexto de ódio e que, embora bem diferentes, esse sentimento e o amor
romântico ativam duas estruturas cerebrais em comum.

Os pesquisadores analisaram a atividade cerebral de 17 homens e mulheres que
olhavam fotos tanto de pessoas odiadas – geralmente um ex-amor ou um adversário do
trabalho – quanto de conhecidos neutros. O efeito provocado pelas fotos dos desafetos
foi a ativação de um conjunto de áreas que formam o chamado circuito do ódio.

“O estudo mostra que o ódio certamente tem um efeito na atividade cerebral”, diz
à CH On-line Semir Zeki, do University College London (Reino Unido). “Esse
sentimento tem origem no cérebro, que é o centro de nossas emoções e da consciência”,
completa o pesquisador, autor principal do artigo que apresenta os resultados do estudo,
publicado em outubro na revista PLoS One.

Algumas áreas que pertencem ao circuito ativado pelo ódio estão ligadas ao
planejamento e à execução de movimentos – o córtex pré-motor – e à previsão das
ações de outras pessoas – o pólo frontal.

“Nossa hipótese é que a visão de uma pessoa odiada mobilize o sistema motor
para uma possibilidade de ataque ou defesa”, avalia Zeki. “A previsão da ação do outro
também seria importante no confronto com uma pessoa odiada.”

Outra estrutura envolvida no planejamento motor e ativada pelo ódio é o putâmen
direito, também estimulado pelos sentimentos de medo, desprezo e repugnância. O
padrão cerebral identificado pelos cientistas é distinto do relacionado a emoções como
medo, perigo e agressividade, embora haja uma parte do cérebro associada à
agressividade que é ativada por todos esses sentimentos.


Amor e ódio

Os pesquisadores já haviam realizado estudos semelhantes em relação ao amor
romântico. A comparação entre os efeitos do ódio e do amor no cérebro mostrou que
duas áreas – o putâmen e a insula – são ativadas pelos dois sentimentos.

Zeki destaca que amor e ódio, embora aparentemente antagônicos, se confundem e
interagem em muitos momentos. “O dia-a-dia providencia exemplos em que essas
conflitantes emoções se entrelaçam”, diz. E exemplifica: “Se um companheiro nos trai,
o ódio resultante é provavelmente muito mais intenso do que se tivéssemos sido traídos
por um estranho”.

Uma diferença encontrada entre os efeitos provocados pelos dois sentimentos foi
o padrão de desativação de algumas regiões cerebrais. No caso do amor, zonas do córtex
cerebral relacionadas ao julgamento e à razão são desativadas, o que faz com que o
indivíduo seja menos crítico e exigente em relação à pessoa amada.

Já em situações de ódio, somente uma pequena região do córtex frontal fica
desativada. “O padrão de desativação encontrado foi muito mais restrito em comparação
ao observado nos estudos sobre o amor”, afirma Zeki. “A desativação provocada pelo
ódio pode estar relacionada a uma mudança de atenção: o indivíduo pára de se
preocupar com o espaço exterior e passa a ter uma experiência interna associada com a
ansiedade”, explica.

Os pesquisadores ressaltam que os resultados dizem respeito ao ódio a um
indivíduo. Eles pretendem no futuro estudar os efeitos cerebrais do ódio contra grupos
de pessoas, seja em função da raça, do gênero ou da opção política.

 

Fonte: Ciência Hoje On-line http://cienciahoje.uol.com.br/132862
Data: 18/11/2008
Texto: Tatiane Leal.

 
 

Comentários

Niguém comentou esta notícia ainda. Seja o primeiro!

Envie seu comentário


 

2009 Apanat - Todos os direitos reservados

Desenvolvido pela S3Web