Apanat - Associação Paulista de Naturologia

(esqueci a senha) (cadastre-se)
página inicial

Blog - Regulamentação da Profissão de Naturólogo

REGULAMENTAÇÃO NÃO ACOMPANHA EXPLOSÃO DO SETOR DE BEM-ESTAR
Segundo sindicato, mercado recebe cerca de 25 mil terapeutas "holísticos" a cada ano

Free Lance para a Folha 

Qualidade de vida se tornou um bem de consumo. A sentença, de Alberto Ogata, vice-presidente da Associação Brasileira de Qualidade de Vida, revela um campo fértil para profissionais especializados na promoção do bem-estar. "É uma área enorme, em crescimento e com poucos profissionais especializados", afirma ele.
Segundo estimativas do Sindicato dos Terapeutas (Sinte), há 150 mil profissionais na área no país, dos quais 40% em São Paulo - e 25 mil novos terapeutas se formam por ano. Mas, apesar dos números elevados, as terapias alternativas (ou complementares) ainda carecem de regulamentação e comprovação científica.
"Por essas práticas não serem reconhecidas [pelo Ministério da Saúde], é um terreno arenoso tanto para quem clinica como para o paciente", alerta o presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Clóvis Constantino. "Algum dia até poderão entrar no rol das profissões oficiais, mas, por enquanto, é uma prática "aventuresca”.
Por não ter nenhum curso reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), a área de qualidade de vida é constituída por profissionais de formação livre. "Via de regra, nossa orientação é que selecionem os cursos pelo seu conteúdo, sem ilusões quanto a diplomas", diz Henrique Vieira Filho, presidente do Sinte.

Pioneira
Em Santa Catarina (Unisul) e em São Paulo (Anhembi Morumbi) funciona um curso de graduação pioneiro nessa área, o de naturologia. Seu foco é a formação de um profissional especializado em terapias naturais para a promoção do bem-estar.
Aberto em 2002, o curso da Anhembi já conta com seis turmas e cerca de 220 alunos. "Por meio de uma pesquisa de mercado, identificamos essa área como um setor que cresce vertiginosamente. “É preciso formar terapeutas que dominem a área energética, mas que também entendam de pesquisa científica”, diz Cristina Sekiya, coordenadora do curso.
Fernando da Costa Guedes, 29, é um dos alunos da primeira turma. Depois de abandonar a carreira de advogado ambiental, Guedes buscou formação ampla em terapias vibracionais, orientais e ayurvédicas. "É um excelente campo de trabalho", afirma.
Os salários tendem a ser atrativos. Segundo Sekiya, variam entre R$ 50 e R$ 120 por hora.

Sem estresse
Cerca de 70% dos brasileiros sofrem com algum sinal negativo de estresse, segundo o Isma-BR (International Stress Management Association). Para combatê-los, profissionais estão em busca de formação específica.
É o caso de Isolina Proença, 49 anos. Formada em psicologia, um mestrado sobre combate ao estresse a fez identificar um campo de trabalho mais interessante. "A pós-graduação foi fundamental para enriquecer minha prática clínica", conta ela, que hoje trabalha no Instituto Psicológico de Controle do Stress, em Campinas. (AR)

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo – Empregos
Data: 03 de outubro de 2004.

 
 

Comentários

ARNALDO MANZINI FERNANDES em 14/12/2011 às 15:07

é importante que essa profissão venha ser regulamentada,pois também deve ser reconhecida como ás demais,igualdade,democracia,pessoas devem prevalecer estando á cima de tudo,do contrário fica aqui a pergunta que país é esse então !

Envie seu comentário


 

2009 Apanat - Todos os direitos reservados

Desenvolvido pela S3Web